Arbitragem

113ª Questão: Bye Ausente

17/02/2013 - 12:43

Pergunta: Estamos recebendo solicitações de jogadores que estarão viajando para a nossa cidade para ficarem
na condição de “bye ausente” com meio ponto, para a primeira rodada do nosso torneio Aberto do Brasil.


Resposta: É importante realçar que não existe unanimidade entre organizadores, árbitros e jogadores relativamente à atribuição de 1/2 ponto ao jogador que solicite ficar 'bye ausente'.
O FIDE handbook não define claramente a figura do bye ausente (1/2 ponto).
Todavia não existe proibição expressa caso contrário o Servidor da FIDE (FRS) recusaria os relatórios de torneios com jogador não emparceirado que recebe 1/2 ponto.
Portanto, fica a critério da Organização do torneio ou da arbitragem a aceitação ou não da figura do bye ausente (1/2 ponto).
É interessante registrar que em alguns países a figura do bye ausente (1/2 ponto) é bem aceita em qualquer rodada.
Mas, não deixa de ser temerária tal aceitação de um pedido de bye ausente (1/2 ponto) na última rodada, por gerar incrível distorção de resultados na classificação final do torneio.
Em outros países - como é o caso dos Países Baixos - o bye ausente (1/2 ponto) só é aceito em competições recreativas ou amistosas de fim de semana e a razão tem conotação religiosa, ou seja, proporcionar a alguns jogadores a possibilidade de assistir a missa dominical.
Cabe ressaltar que alguns árbitros são contrários à concessão de meio ponto ao bye que não joga a rodada, em torneios válidos para rating, por causar enorme influência nos emparceiramentos suíços.
Outros consideram que o bye ausente (1/2 ponto) está permitido em emparceiramentos suíços, consoante o disposto no FH C.04.1.b2:
"Um jogador que tenha recebido um ponto ou meio ponto sem jogar, seja através de ter sido bye ou devido a ter ganho uma partida por WO, é considerado flotador para baixo (ver A4) e não volta a receber um bye durante o resto do torneio".
Na minha opinião, o bye ausente (meio ponto) é uma alternativa válida apenas para a primeira rodada e pode ser concedido para jogador que tenha feito a solicitação com a devida antecedência.
Exemplificando: É bem razoável a concessão do bye ausente (1/2 ponto) no caso de solicitação feita devido a percalços comprovadamente ocorridos durante a viagem e que impeça a chegada do jogador em tempo hábil para participar da primeira rodada.
Bem diferente do pedido, sem a devida justificativa, de jogador morador da própria cidade de realização do evento que peça para ficar na condição de bye ausente (1/2 ponto) por puro diletantismo.
Nas demais rodadas, o jogador que comunicar impedimento de participação não será emparceirado e receberá zero ponto, conforme o disposto no FH C.04.1.F5.
Por outro lado, o bye ausente (1/2 ponto), não pode ser concedido se houver expressa vedação no Regulamento Técnico
da Competição.
Esta questão foi-nos sugerida pelo organizador Fernando Barros, a quem agradecemos a colaboração.