Arbitragem

100ª Questão:

10/02/2004 - 00:12

Pergunta: Outro dia fui pesquisar os relógios digitais, movidos a bateria, pilhas, etc. Me parecem uma boa solução para os torneios. Mas suponhamos que estamos nos momentos finais de uma partida, na qual cada jogador ganha um incremento de 30 segundos por lance. Ou seja, no apuro ele sai da forca a cada jogada. O que acontece se a bateria acabar e o relógio apagar completamente naquele momento mais tenso? Pane mesmo... e aí, o que acontece? Como reparar os tempos corretos...e se ninguém prestou atenção e não há registro?

Resposta: As perguntas do Mestre Dirceu são sempre bastante instigantes! Felizmente os relógios eletrônicos do Brasília Clube de Xadrez são de boa qualidade, as pilhas são alcalinas e ainda bem que não aconteceu uma tragédia dessas.

Mas acredito que numa situação dessas o árbitro tem de usar e abusar do bom senso na busca da solução mágica para resolver um problemão que decorra de fatores especiais.

Assim, o árbitro deverá valer-se de seu bom-senso quando ajustar os tempos a serem mostrados pelos ponteiros (display) do relógio que substituirá o que apresentou defeito (que falhou na chamada hora H), consoante o disposto no artigo 6.11 da Lei do Xadrez.

Aliás, a Lei do Xadrez parece até uma drogaria, tem remédio para tudo!

Esta questão foi-nos sugerida pelo MF Dirceu Viana, a quem agradecemos a colaboração.

Quem estiver interessado em colaborar com questões de arbitragem, favor enviar email para

AI Antonio Bento
com cópia para